SOMOS VIDEIRA: POR UMA VIDA PLENA, INTEIRA!

Videira em pequena propriedade familiar no Sul do Brasil (internet)

O Evangelho desse 5o domingo da Páscoa (João 15, 1-8) é uma lição de ecologia integral!

Jesus, que já falara de pastores e ovelhas, usa agora imagem do mundo vegetal: nós somos uma vinha, Deus é o agricultor, e a seiva que faz cada parreira frutificar é o amor.

Tudo está interligado, integrado. É preciso, às vezes, podar os galhos para virem bons e fortes cachos.

É necessário cortar nossas autossuficiências, egoísmos, orgulhos bestas e vaidades, para sermos úteis ao nosso entorno, à coletvidade.

Tratemos de eliminar os galhos secos, que não servem para nada, senão para sugar energias. Afastar os parasitas, os aproveitadores, os acúmulos desnecessários.

A figura da vinha nos interpela: como são as uvas de nossa existência? Têm ajudado na produção do vinho da justiça, da sinceridade, da retidão e do bem viver? Ou o que mais vem é o vinagre da falsidade, da competição, da indiferença, do autocentramento?

Adélia Prado, poeta, proclama sua fé vital, carnal e “arbórea” diante do Crucificado: “eu te adoro/ ó salvador meu/ que apaixonadamente revelas/ a inocência da carne./ Expondo-te como um fruto/ nesta árvore de execração/ o que dizes é amor/ amor do corpo, amor”.

Na nossa época, proliferam cruzes nas vinhas da ira, do armamentismo, das guerras de extermínio, da devastação ambiental, do ódio virtual, da ascensão dos farsantes e neofascistas.

É urgente jogar no fogo os galhos secos do nosso desencanto! Somos chamados a ser e cultivar as videiras da dignidade humana, da amizade social, da solidariedade, do cuidado com a Casa Comum, para alcançarmos o tempo da delicadeza. Apesar de tudo, há vinhas generosas frutificando…

Vicejemos, ressuscitemos!

Videira em pequena propriedade familiar no Sul do Brasil (internet)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

PEDRO, PAULO E NÓS

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.
Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.
Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Cristo na tempestade no Mar da Galiléia (por Rembrandt van Rijn)

SERENIDADE NA TORMENTA

O Evangelho lido hoje em milhares de comunidades de fé do mundo (Marcos 4, 35-41) mostra um Jesus “zen”, leve em meio ao peso do mundo. Dormindo na frágil embarcação sobre ondas revoltas.
Lição de vida nesse universo de temores, incertezas e ansiedades em que navegamos.

Fotos de Eduardo Ribeiro (horta em Santa Rosa de Viterbo/SP) e Igor Amaro (praça em Angra dos Reis/RJ)

SER SEMENTE, SOMENTE

Como Jesus explicava bem as coisas! No evangelho lido neste domingo em milhares de comunidades de fé pelo mundo (Marcos, 4, 26-34), o Mestre usa comparações bem compreensíveis (parábolas) para a multidão que queria ouví-lo.

Rolar para cima