PEDRO, PAULO E NÓS

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.

Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.

Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Um se arrepende amargamente, outro cai do cavalo, literalmente, ao ouvir a voz da consciência, da conversão.

Iguais na diferença: Pedro será pedra sobre a qual se erguerá uma comunidade de fiéis. Que, nos seus primórdios, era guiada pelo amor e pela partilha, não por poder e riqueza.

Paulo, do latim “pequeno”, engrandecerá a fé, a esperança e a caridade mundo afora: “tristes, mas sempre alegres, pobres mas enriquecendo a muitos, nada tendo mas possuindo tudo” (2 Coríntios 6, 10).

Pedro e Paulo, semelhantes na fragilidade. Papa Francisco lembra que suas vidas “não foram límpidas nem lineares. Eles cometeram erros enormes, mas nas suas quedas descobriram a força da misericórdia de Deus. Falharam, mas encontraram um Amor maior do que todos os seus fracassos”. Como nós…

Pedro e Paulo, iguais também no fim, na prisão e no martírio sob o Império de Nero (século I da nossa era).

Pedro como seu xará Casaldáliga (1928-2020), “militante derrotado de causas invencíveis”.

Paulo como seu xará Freire (1921-1997): “mais que esperar é preciso esperançar, e viver docentemente”.

Pedro e Paulo – gerados por Marias – inspiradores. E nos indicam caminhos: do coração e da razão, na fé e na luta!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

PEDRO, PAULO E NÓS

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.
Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.
Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Cristo na tempestade no Mar da Galiléia (por Rembrandt van Rijn)

SERENIDADE NA TORMENTA

O Evangelho lido hoje em milhares de comunidades de fé do mundo (Marcos 4, 35-41) mostra um Jesus “zen”, leve em meio ao peso do mundo. Dormindo na frágil embarcação sobre ondas revoltas.
Lição de vida nesse universo de temores, incertezas e ansiedades em que navegamos.

Fotos de Eduardo Ribeiro (horta em Santa Rosa de Viterbo/SP) e Igor Amaro (praça em Angra dos Reis/RJ)

SER SEMENTE, SOMENTE

Como Jesus explicava bem as coisas! No evangelho lido neste domingo em milhares de comunidades de fé pelo mundo (Marcos, 4, 26-34), o Mestre usa comparações bem compreensíveis (parábolas) para a multidão que queria ouví-lo.

Rolar para cima