MATERIALISMO CRISTÃO

pez ichthys

Nesse 3o domingo da Páscoa, proclama-se o “materialismo iluminado” do cristianismo, a religião do Deus feito gente, do Cristo crucificado mas ressuscitado (Lucas 24, 35-48).

Como nós hoje, os discípulos e discípulas estavam assustados, amedrontadas. Eram e são demais os perigos e inseguranças dessa vida…

Jesus chega e faz a saudação da ternura: “a Paz esteja com vocês!”. Cutuca a dúvida e o espanto do/as amigo/as, que temiam fantasmas: “sou eu mesmo, de carne e ossos, vejam minhas feridas, toquem em mim!”. Nosso Mestre é um Deus encarnado.

Seu amor é caloroso! Quer mãos e abraços apertados, quer corpos que se encontrem – e não que se destruam, em agressões, exploração, genocídios e guerras. Ou se fechem em egos vaidosos.

Esse Jesus redivivo não vem para nos condenar e diminuir, mas para “abrir nossa inteligência”!

Por fim, humaníssimo, pede algo para comer. E se alimenta com um peixe assado. Comunhão na partilha, que “sacia nossa fome de pão e de beleza” (frei Betto).

Marcelo Barros, irmão beneditino, me ensina que o peixe era o símbolo dos primeiros cristãos, antes da cruz. Nas catacumbas, desenhavam peixinhos como sinal da sua fé, em meio às perseguições do Império Romano. Peixe escreve-se ICTIS, as iniciais em grego de “Jesus Cristo Filho de Deus Salvador”. Os esbirros do poder não entendiam. Toda repressão é burra.

Peixe é um símbolo forte. Na tradição judaica, representa também o banquete do fim dos tempos, que saciará a todos.

Ontem e hoje, peixe evoca, além do alimento, a vida que vem da água. E, frente aos mistérios dos mares e rios, o desafio de “inventar inventar o cais e saber a vez de se lançar” (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos).

Alimentados, cumpramos nossa missão: lancemo-nos ao mar de amar!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

PEDRO, PAULO E NÓS

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.
Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.
Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Cristo na tempestade no Mar da Galiléia (por Rembrandt van Rijn)

SERENIDADE NA TORMENTA

O Evangelho lido hoje em milhares de comunidades de fé do mundo (Marcos 4, 35-41) mostra um Jesus “zen”, leve em meio ao peso do mundo. Dormindo na frágil embarcação sobre ondas revoltas.
Lição de vida nesse universo de temores, incertezas e ansiedades em que navegamos.

Fotos de Eduardo Ribeiro (horta em Santa Rosa de Viterbo/SP) e Igor Amaro (praça em Angra dos Reis/RJ)

SER SEMENTE, SOMENTE

Como Jesus explicava bem as coisas! No evangelho lido neste domingo em milhares de comunidades de fé pelo mundo (Marcos, 4, 26-34), o Mestre usa comparações bem compreensíveis (parábolas) para a multidão que queria ouví-lo.

Rolar para cima