AMAI-VOS UNS AOS OUTROS: SIMPLES E… DIFÍCIL

Artes de Yvonne Bell (Reino Unido, nascida em 1996)

Nesse 6o domingo da Páscoa, Jesus resume toda lei e sua doutrina (João, 15, 9-17): “o meu mandamento é este: amem-se uns aos outros, assim como o Pai me ama e eu amei vocês. Não existe amor maior do que dar a vida por seus amigos”. Definitivo, direto e reto!

Dia desses vi uma tirinha de jornal linda. Um adulto fazia aquela pergunta clássica (e meio tola) a uma menininha:

-O que você quer ser quando crescer?

E ela, certeira e desconcertante: -Generosa!

Não é o padrão do mundo dominante, da competição, do cada um por si. Da concorrência desvairada, do ter acima do ser.

Amar devia ser a lei maior. Não a indiferença, o “mateus, primeiro os meus”, o “odiai-vos uns aos outros”!

Amor é o reconhecimento do outro como meu igual, mesmo tão diferente (felizmente)! Amar é sentir no totalmente outro meu próximo.

“Não chamo vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que o patrão faz, mas de amigos” – acrescenta Jesus. A relação amorosa é horizontal, franca e fraterna.

Companheiro/a: aquele/a com quem reparto o pão. Sem qualquer discriminação. “Compreendi que Deus não faz diferença entre as pessoas. Pelo contrário, Ele aceita quem o respeita e pratica a Justiça, seja qual for sua nação!” – exclama Pedro (Ato dos Apóstolos, 10, 34,35).

Ser é ser-com-o-outro! Outro a quem alguns grupos indígenas do Brasil chamam ‘Txai’: “meu outro coração”.

Descobrir o ‘alter’ é combater o ‘ego’ – autocentramento, apequenamento do ser.

Amar é passaporte para a alegria. Amor dos amigos, dos enamorados, de pai e mãe (ouro de mina!), dos filhos, dos irmãos (consanguíneos ou escolhidos).

Gostar de gente é ter afeição pelo mundo, pela Humanidade, e querê-la menos desigual e injusta: “gente é outra alegria, diferente das estrelas” (Terra, Caetano Veloso).

Amar é cuidar da Casa Comum tão maltratada e entender – sem negacionismo climático! – a sua reação, com enchentes, secas, vírus destruidores. A Terra, ser pulsante em tensa harmonia, não precisa de nós, e sim nós dela.

Encheria páginas escrevendo sobre as muitas formas de amar*: Deus é amor. A vida devia ser uma “Love Celebration”…

A efetivação do amor, para além das palavras, é a relação com o próximo (vizinho ou pessoa distante). É a prática solidária.

No velho prédio do Museu do Homem, em Paris, há uma inscrição muito tocante: “Depende desse outro, que cruza o meu caminho, que eu seja túmulo ou tesouro, que eu fale ou me cale… Eu não tenho senão a ti, amigo. Não chegue sem vontade!”.

Como anda sua vontade de amar – e de, doando-se, ser feliz?

*Escrevi um livrinho, Amor, a lei maior – o cântico dos cânticos em nós (Editora Salesiana, SP, 2002)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

PEDRO, PAULO E NÓS

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.
Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.
Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Cristo na tempestade no Mar da Galiléia (por Rembrandt van Rijn)

SERENIDADE NA TORMENTA

O Evangelho lido hoje em milhares de comunidades de fé do mundo (Marcos 4, 35-41) mostra um Jesus “zen”, leve em meio ao peso do mundo. Dormindo na frágil embarcação sobre ondas revoltas.
Lição de vida nesse universo de temores, incertezas e ansiedades em que navegamos.

Fotos de Eduardo Ribeiro (horta em Santa Rosa de Viterbo/SP) e Igor Amaro (praça em Angra dos Reis/RJ)

SER SEMENTE, SOMENTE

Como Jesus explicava bem as coisas! No evangelho lido neste domingo em milhares de comunidades de fé pelo mundo (Marcos, 4, 26-34), o Mestre usa comparações bem compreensíveis (parábolas) para a multidão que queria ouví-lo.

Rolar para cima