A PAZ DE QUEM CRÊ, PARA VER MELHOR!

"A incredulidade de São Tomé"- Caravaggio (1571-1610)

Que maravilha o jeito do Cristo Ressuscitado junto aos seus discípulos!

Sempre que aparece, deseja o essencial àquelas pessoas amedrontadas e inseguras, com portas e janelas trancadas (como nós, hoje): “a paz esteja com vocês!” (João, 20, 19-31).

A paz! Interior e exterior. A interior, de quem gosta de amar seus semelhantes, vencendo o pecado original do egocentrismo, e sabe-se em comunhão com toda a Criação. A exterior, de quem repudia a injustiça, a exploração, as discriminações, a matança e a guerra.

A paz de Cristo! Mesmo numa sociedade que produz neuroses em escala industrial e nesse mundo conflitado e desigual é possível encontrá-la!

É urgente crer na paz, ser a paz: fragmento aqui e agora do mundo que virá, da vida eterna, do útero cósmico e acolhedor de Deus, morada atemporal de tantos(as) que partiram. Onde “menino/as maluquinho/as” brincam de roda com seu paizinho Ziraldo e todo/as o/as que cumpriram sua existência criando e fazendo o bem.

A paz que só chega para quem, ao contrário de Tomé, crê para ver a realidade, sem se deixar iludir, enxergando suas chagas. E, energizado pela utopia (sem a qual viver é fardo e apatia), se põe na caminhada, junto com tantas e tantos, para superá-las, “arrancando alegrias ao futuro” (Maiacovski).

Aproveite o domingo e se indague: as portas e janelas do seu coração estão fechadas?Como anda sua paz? Como anda sua luta?

Fique em paz (que, como dizia o profeta Isaías, 700 anos antes de Cristo, é fruto da Justiça).

“A incredulidade de São Tomé”- Caravaggio (1571-1610)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

São Pedro e São Paulo - El Greco (1541-1614) A conversão de Paulo - Caravaggio (1571-1610)

PEDRO, PAULO E NÓS

Neste domingo celebra-se a festa de São Pedro e São Paulo, apóstolos pilares do cristianismo.
Pedro e Paulo, tão diferentes. Pedro, rude e franco pescador. Paulo, estudioso escudeiro da lei judaica.
Pedro e Paulo, tão iguais: um nega Cristo três vezes, outro persegue centenas de cristãos.

Cristo na tempestade no Mar da Galiléia (por Rembrandt van Rijn)

SERENIDADE NA TORMENTA

O Evangelho lido hoje em milhares de comunidades de fé do mundo (Marcos 4, 35-41) mostra um Jesus “zen”, leve em meio ao peso do mundo. Dormindo na frágil embarcação sobre ondas revoltas.
Lição de vida nesse universo de temores, incertezas e ansiedades em que navegamos.

Fotos de Eduardo Ribeiro (horta em Santa Rosa de Viterbo/SP) e Igor Amaro (praça em Angra dos Reis/RJ)

SER SEMENTE, SOMENTE

Como Jesus explicava bem as coisas! No evangelho lido neste domingo em milhares de comunidades de fé pelo mundo (Marcos, 4, 26-34), o Mestre usa comparações bem compreensíveis (parábolas) para a multidão que queria ouví-lo.

Rolar para cima