COM-PAIXÃO!

obras Sliman Mansour

(breve reflexão para crentes ou não)

Esse domingo (de carnaval no Brasil) é também tempo de pensar na nossa postura dentro de uma sociedade excludente e injusta.

O evangelho de Marcos (1, 40-45), lido nas comunidades de fé, é de uma clareza contundente.

A lepra (que hoje denominamos hanseníase), naquela época, era uma doença que gerava tremenda marginalização social. Seus portadores eram expulsos do convívio humano e tinham até que andar com um sininho no pescoço para que ninguém se aproximasse. Isolados fora dos povoados, deviam gritar sua condição à menor aproximação de alguém. Um horror, uma condenação à morte lenta.

Jesus ouve o apelo do leproso (“se queres, tu tens o poder de me purificar!”), fica irado com aquela situação de marginalização, manifesta vontade e AGE: estende a mão, toca na pessoa e lhe restitui a saúde. Recomenda: “não conte nada para ninguém, apresente-se ao sacerdote, seja um testemunho”. Não queria idolatria.

Para resgatar a vida plena do outro, que sabia ser seu igual, rompeu as normas vigentes, quebrou tabus, repudiou a discriminação. Ouviu o clamor dos mais esquecidos, tidos como “escória”.

Com esse gesto libertador, nem nas cidades podia mais entrar: a notícia se espalhou e “de toda parte as pessoas iam procurá-lo”. Preferia o deserto, ficando mais próximo de todos os proscritos.

E nós, o que sentimos diante de tantos marginalizados da nossa sociedade? Que atitude temos para com eles? Qual é nosso empenho para mudar as estruturas do individualismo e da indiferença – que ampliam a quantidade dos à margem? Como reagimos diante daqueles que, usando o nome de Cristo, só pensam na “prosperidade” própria, negando seu exemplo, pregando a “fé em Jesus” mas distantes da fé de Jesus?

Com-paixão é sofrer junto, é estender a mão, é sentir na própria carne a dor do semelhante, açoitado por guerras, miséria, desemprego, desencanto. É combater a “doença” contagiosa do egocentrismo, de só ter olhos para si mesmo, prisioneiro das aparências. Compaixão é carregar em nós as dores e as esperanças da Humanidade.

Carnaval é festa gregária, de cantar o dom da vida, de celebrar junto com os outros a alegria de existir. E não nos impede de refletir: “Deus me proteja de mim/ e da maldade de gente boa/ da bondade da pessoa ruim/ Deus me governe e guarde/ ilumine e zele assim” (Chico César).

Sejamos sinal de saúde e paz para os outros, em especial os mais abandonados, os que agora estão sofrendo, morrendo, sendo bombardeados de mil maneiras.

Sliman Mansour (pintor palestino)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

sem título 1 prancheta 1

RESSUSCITA-NOS!

Páscoa é a linda história do Nazareno, o Deus feito gente, que veio ao mundo e nada guardou para si. Tudo, em Jesus, era destinado aos outros. Quando a morte chegou, para tomar seus bens, sua propriedade, nada encontrou para tomar, tudo já havia sido dado. Assim, foi vencida.

The Last Supper

LAVARMO-NOS OS PÉS, REPARTIR O PÃO

Jesus e os seus – estamos todos e todas convidados! – reúnem-se para a ceia. A sala abriga, a refeição congrega. Os inimigos estão à espreita, mas ali, naquele momento mágico, reina a Paz.

Rolar para cima