A GLÓRIA DE SER SEMENTE

semente

(breve reflexão para cristãos ou não)

Nesse 5o domingo da Quaresma, o evangelho de João (12, 20-33) já prenuncia a cruz e a luz. A Semana Santa está chegando.

Jesus desconcerta os que foram procurar um líder triunfante e poderoso. Dá lição de humildade e impermanência: “se o grão de trigo não cai na terra e não morre, fica sozinho. Mas se morre, produz muito fruto”.

A sabedoria do Mestre era reconhecer sua finitude e sua fecundidade. Ser, a um só tempo, semente e semeador. “O amor da gente é como um grão: morre e nasce trigo, vive e morre pão” (Gil, “Drão”).

Assim é o testemunho de Jesus: somos feitos para acabar, precários, finitos. Ao mesmo tempo, somos eternos, continuados no que deixamos de bom em nossa passagem. “Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado”, diz ele. No miúdo reside o grandioso, o que falece viceja!

Sofrimento, dor e morte, inevitáveis na nossa caminhada, não são aniquilação! Se bem compreendidos, têm um valor redentor. Só entendendo e aceitando nossas limitações podemos ir além delas. Ser Páscoa, Pessach, isto é, passagem.

Na véspera dos 6 anos da execução de Marielle, um deputado da extrema direita, incomodado pela cobrança por Justiça (por ela e tantas vítimas da violência), vociferou: “Chega! Marielle morreu, acabou!”. Brado da ignorância truculenta e estéril.

Excelências (?) desse tipo vivem se proclamando “bons cristãos”… Corações de pedra, não entenderam nada. Não enxergam as flores e os frutos que teimam em brotar, mesmo no solo calcinado das opressões e da indiferença.

Já Salvador Dali (1904-1989), ao se reencontrar com sua fé, criou, inspirado na mística de São João da Cruz, um Cristo erguido, glorificado, sem sangue e pregos e coroa de espinhos. Jovial, Jesus contempla o mundo e atrai, com sua luminosidade, a humana vocação de grandeza e elevação.

“Quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim”. Teilhard de Chardin (1881-1955), padre, biopaleontólogo, sabia: “tudo o que sobe, converge”. Subir, livrar-se das amarras perturba; subir exige desapego!

Cientes da nossa precariedade, com simplicidade cultivemos: os frutos virão! Deixemos um legado de amorosidade, igualdade, cuidado e paz – imorredouro, portanto. Como Jesus.

“Cristo de São João da Cruz”, Salvador Dali – 1951

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

sem título 1 prancheta 1

RESSUSCITA-NOS!

Páscoa é a linda história do Nazareno, o Deus feito gente, que veio ao mundo e nada guardou para si. Tudo, em Jesus, era destinado aos outros. Quando a morte chegou, para tomar seus bens, sua propriedade, nada encontrou para tomar, tudo já havia sido dado. Assim, foi vencida.

The Last Supper

LAVARMO-NOS OS PÉS, REPARTIR O PÃO

Jesus e os seus – estamos todos e todas convidados! – reúnem-se para a ceia. A sala abriga, a refeição congrega. Os inimigos estão à espreita, mas ali, naquele momento mágico, reina a Paz.

Rolar para cima