COMO ANDA SUA LUZ?

Ain Vares (Estônia): "Ten virgins"

Nesse domingo, a parábola que Jesus conta (Mateus, 25, 1-13) é um chamamento à prontidão, para uma vida em busca da plena luz (que não dependa de concessionárias de energia – rsss).

Nossa existência, como a das “dez noivas” – na cultura da época, assim também eram chamadas as amigas mais íntimas da noiva, que a “amadrinhavam” nas bodas – deve ser um constante “sair” ao encontro do Amor (aqui representado pelo “noivo que chegou”).

Para tanto, é preciso manter a chama acesa, “estar atento e forte”. É imprescindível ter sempre o “óleo” da pureza, da compreensão (que não é conformismo), da flexibilidade (que não é submissão). “Azeitar” a sensibilidade, o vigor, a ternura, o bom ânimo, a ânsia pelo que é justo, bom, simples e belo.

Caminhamos entre trevas e luz, insensatez e sabedoria, aparência e essência.

Quais são as nossas escolhas? Estamos desperdiçando o fogo existencial que nos foi dado? Esbanjamos na superficialidade do mundo das coisas, da ilusão possessiva, o dom da vida – imersos na sombra da cultura da maquiagem e da mediocridade?

Para enfrentar a grande noite das opressões, do ódio e das mesquinharias é um imperativo buscar a luz do dia, a claridade da nossa verdade interior. Portar a vela que se consome queimando o ego vaidoso e.alumiando o ser generoso.

Amanhecer é preciso, clarear é urgente, como fizeram as mulheres com suas tochas, acordando a aurora da paixão e do gosto de viver (Deus, o semelhante e a natureza – o “noivo”! – convidavam). Assim, abriram as portas do Céu.

Essa parábola de alerta (“fiquem vigilantes, pois vocês não sabem o dia nem a hora”) nos exorta a vivermos na infância de Adélia Prado: “uma ocasião, meu pai pintou a casa toda de alaranjado brilhante. Por muito tempo moramos numa casa, como ele mesmo dizia, constantemente amanhecendo.”

Iluminemos a noite desses tempos de morte. Chamemos o dia. Amanheçamos!

Ain Vares (Estônia): “Ten virgins”

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima