Chico e Erundina questionam sumiço da Comissão da Verdade no Facebook

cnv thumb (1)

Na última quinta (01.06), nosso mandato recebeu a denúncia de que a página da Comissão Nacional da Verdade (CNV) no Facebook estava fora do ar. Através de um Requerimento de Informação, questionamos o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos se eles estão cientes do ocorrido, o que está sendo feito para recuperar a conta e se há algum plano de ação para que outras páginas não sejam deletadas.

A Comissão Nacional da Verdade foi um colegiado instituído através da Lei 12.528/2011 para investigar as graves violações de direitos humanos praticadas por agentes do Estado ocorridas entre 1946 e 1988. Em dezembro de 2014, a comissão entregou seu relatório final à presidente Dilma, onde conclui que a prática de detenções ilegais, tortura, violência sexual, execuções e outras violências resultaram de uma política de Estado, sendo considerados crimes contra a humanidade.

Desde então, a responsabilidade pelo acervo, incluindo as redes sociais da CNV, é responsabilidade do Arquivo Nacional, que faz parte da estrutura do Ministério da Gestão. Ainda que as redes não tenham tido novas publicações desde o encerramento dos trabalhos da comissão, o conteúdo divulgado nas plataformas digitais são documentos de pesquisa que seguem sendo estudados por acadêmicos brasileiros.

Essa possível má gestão ameaça as demais redes da CNV, como o Youtube. Se o canal sair do ar, impedirá uma das únicas maneiras de acessar livremente, de qualquer lugar do Brasil e do mundo, os depoimentos das testemunhas da Comissão Nacional da Verdade. Atualmente há 565 vídeos no canal.

Confira a íntegra do Requerimento de Informação:

Fotos: Pablo Valadares e Marina Ramos/Câmara dos Deputadoser

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima