Chico Alencar pede medidas contra jogo racista aos ministérios da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos

thumb jogoracista (1)

Em ofício enviado aos ministérios da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, o deputado federal Chico Alencar pediu, hoje (24.05), que sejam tomadas medidas a fim de responsabilizar a Google Play, serviço de distribuição de conteúdos digitais do Google, e a empresa Magnus Games, desenvolvedora do aplicativo “Simulador de Escravidão”, pela distribuição de um jogo que estimula o racismo.

Segundo relato da própria desenvolvedora, o jogo é “o melhor simulador de proprietários de escravos e comércio de escravos”, e tem entre seus “atrativos” algumas práticas simuladas de torturas físicas, compra e venda de pessoas negras escravizadas, entre outras.

Com a repercussão negativa na imprensa e nas redes sociais, tudo indica que o Google retirou o aplicativo de sua loja. No entanto, até hoje (24.05), segundo dados do próprio Google, mais de 1.000 pessoas instalaram o simulador em seus aparelhos. O aplicativo tinha “classificação livre”.

Confira a íntegra do ofício:

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima