A caminho, buscando a verdade: é a vida!

artesacra (1)

O cristianismo é uma religião “materialista”. É das poucas em que Deus assume nossa face humana, se torna gente como a gente. Não pede que saiamos de nossa condição – frágil, falível, finita – para chegar até Ele, mas se encarna, vira um de nós na pessoa de Jesus Cristo.

O cristianismo derivado de Jesus – não o da sacralização do poder, dos suntuosos palácios, da coroação de reis – reconhece a divindade de todas as coisas criadas, água, terra, fogo e ar. Das árvores, dos bichos e daquele destinado a os denominar (não dominar): o ser humano. Somos, tod@s, centelhas de Deus.

É isso que Jesus explica aos seus amigos, no Evangelho lido hoje em milhares de igrejas pelo mundo (João, 14, 1-12). Generoso e acolhedor, diz aos seus, que estavam tomados por dúvidas e aflições costumeiras da existência: “não fique perturbado o coração de vocês, acreditem em Deus e também em mim”.

E passa a discorrer sobre as “muitas moradas na casa do Pai” – temos ânsia de permanência, do Eterno, de um cantinho perene onde só haja reencontro, diversidade e Amor, sem nenhuma dor, fora dos limites do tempo.

E, nesse papo bom, o Mestre fala a frase conhecida: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. A ordem dos substantivos aqui é importante: só caminhando (“pé na estrada”, deixando o casulo, a zona de conforto, a acomodação!) alcançamos discernimento e conhecimento (nesse mundo de tantas “narrativas” mentirosas, fraudes e farsas), experimentando com inteireza o dom da vida. Só na via – e toda é sacra! – se vê melhor.

Teresa d´Ávila (1515-1582), em sua mística, vivenciou a serenidade dessa fé e a cantou, como num mantra: “nada te perturbe, nada te espante, tudo passa, só Deus não muda, só Deus basta”.

Hilda Hilst (1930-2004), arrebatada, se viu caminhando e buscando a verdade mesmo depois da existência terrena: “frente a frente com Deus, serei aquele amontoado de perguntas. Meu Deus, por que o mundo me comove tanto?”.

(Breve reflexão para cristãos ou não)

Imagem: Alberto GUIGNARD (1896-1962), Via Sacra.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima