SEM REMÉDIO: REMÉDIOS AUMENTAM EM PELO MENOS 10%!

O Brasil é um dos 30 países do mundo com maior desigualdade social. O Brasil é um dos 20 países do mundo com menor remuneração do trabalho. O Brasil é um dos 10 países do mundo com maior inflação, há um ano. O Brasil é um dos 5 países do mundo que oferece os maiores ganhos para as grandes corporações do Capital (financeiro, industrial, agroexportador).

Os laboratórios farmacèuticos são, quase sem exceção, transnacionais. E aqui auferem lucros altíssimos. Não iam deixar de aproveitar a “onda inflacionária” em vigor. Um imposto sobre os salários da classe média e dos pobres. Um roubo!

Nada menos que 13 mil remédios terão seus preços majorados a partir de amanhã. Quem mais sofrerá com isso é a população pobre ou “remediada”, que precisa deles para ter saúde. É de adoecer!

Tem remédio, imediato e de longo prazo: NÃO autorizar aumentos que só mantenham ou elevem os lucros dos fabricantes e grandes redes de farmácias (se “não está fácil pra ninguém”, pq os ganhos de certos setores são intocáveis?); redinamizar e ampliar o programa das farmácias populares; estimular a cultura da vida saudável, inclusive com segurança alimentar (renda básica, restaurantes populares) e melhores hábitos nutricionais, desde as escolas; valorizar e fortalecer o Sistema Único de Saúde (comente aqui, sugerindo outras iniciativas factíveis).

Detalhe fundamental: para tudo isso é preciso ter… governo. E pra ter governo é preciso sociedade crescentemente consciente e mobilizada. Tem remédio!!!

Site Sindicato dos Bancários de Paranaguá (PR)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima