NOJO!

“Moïse andava e negociava com pessoas que não prestam. Em tese, foi um vagabundo morto por vagabundos mais fortes. (…) Para seu brutal assassinato, foram determinantes o modo de vida indigno e o contexto de selvageria no qual vivia e transitava”.Essa aberração foi pronunciada por Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares. Abominável!

Esse sujeito desqualificado – um amargo Camargo – espanca Moïse mais uma vez. Criminaliza a vítima. Manifesta racismo, faz uma declaração desumana e perversa. Tem que ser processado!

Sérgio Camargo anda e negocia com gente que não presta: racistas, neofascistas, cruéis e truculentos. Vive no contexto de selvageria negacionista e retrógrada. Afunda a Fundação!

Não por acaso é do alto escalão do (des)governo de horrores de Bolsonaro – que, aliás, nunca se pronunciou sobre o bárbaro assassinato de Moïse. Deve pensar a mesma coisa que seu subordinado e parceiro de absurdos. Basta!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima