RACISMO E MISOGINIA SEGUEM MATANDO. ATÉ QUANDO?

Agora foi Durval Teófilo Filho, de 38 anos, em São Gonçalo (RJ). Ele voltava apressado do trabalho para ainda encontrar sua filhinha acordada. Um vizinho, sargento da Marinha, assustou-se – “achei que era um assaltante” – e fez três disparos, o primeiro de dentro do seu carro, contra Durval. “Legítima defesa”, argumenta. O militar tinha porte de arma e esse crime põe em xeque o preparo que a corporação dá a quem o tem.

“Ele morreu porque era preto. É fácil atirar em um preto mexendo na mochila (Durval pegava a chave do portão do condomínio). É preto, logo é suspeito. Se fosse um branco, nunca aconteceria isso” – diz, desconsolada, a viúva Luziane, que não sabe como contar a tragédia para a filha, apegadíssima ao bom pai, trabalhador querido por todos que o conheciam.

Agora foi também em Glória do Goitá, a 62 km de Recife (PE). Jailma Muniz, de 19 anos, e Kauany Marques, de 18, ambas Silva, foram violentadas e mortas, chocando toda a pequena cidade. Eram meninas graciosas, cheias alegria de viver e… de famílias humildes, vulneráveis. Pagaram por isso. O suposto assassino – a polícia considera que o autor dos crimes hediondos é a mesma pessoa – está foragido.

É bem possível que nesse fim de semana outras atrocidades derivadas de racismo, misoginia ou homofobia aconteçam nesse país, que está naturalizando a barbárie, expandindo o armamentismo e a “cultura miliciana” da raiva e da truculência.

Costumeiramente, quem mata não manifesta sequer arrependimento… E os familiares das vítimas ainda são ameaçados, como é bem o caso de Moïse Kabagembe.

Por ele, por elas, por Durval e por tantas vítimas de crimes de ódio estaremos neste sábado, às 10h, no Posto 8 da Barra da Tijuca (em SP, no mesmo horário, no vão do MASP). Opondo os valores da vida à cultura do horror, do desprezo pelo outro, do preconceito. Por um tempo de mais justiça e delicadeza.

#justiçaparamoise

#Parem_de_nos_matar

Foto do acervo da família

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima