PAULADAS E “VISÃO DE FUTURO”

Foram mais de 30 pauladas sobre o corpo caído de Moise Kabagambe. Elas seguem matando o Brasil, fazendo da Tropicália barbárie. Elas continuam doendo em quem ainda não perdeu sua humanidade.

A força raivosa dos assassinos do congolês brasileiro vem da insensibilidade e voracidade estúpidas que, cotidianamente, se manifestam entre nós. De mil formas, em maior ou menor grau, cresce aqui o “espírito (maligno) de milícia”.

É a “paulada” da mais alta autoridade do país que, diante do flagelo das águas que ceifou 11 vidas em Franco da Rocha (SP) – mais 7 estão desaparecidas – diz que “falta visão de futuro” para os moradores pobres, jogados ao abandono, no passado e no presente.

É a “paulada” da campanha obscurantista antivacina, que fez com que, até agora, apenas 39% das crianças entre 8 e 11 anos, no Rio, fossem buscar imunização – nesse cenário de aumento de 181% das mortes por Covid em duas semanas.

É a “paulada” de torcedores-trucidadores no jogo de futebol da Seleção, que se agridem estupidamente, arremessando uns contra os outros assentos arrancados no Mineirão.

É a “paulada” da devastação ambiental que, ano passado, consumiu mais 6.740 hectares da nossa acossada Mata Atlântica.

As pauladas que mataram Moise continuam sendo dadas, diariamente, perto ou longe de nós. O que temos feito para evitá-las?

Caetano Veloso as sentiu na sua própria arte: “Que o nome do quiosque seja Tropicália aprofunda, para mim, a dor de constatar que um refugiado da violência encontra violência no Brasil”.

É histórico. André Antonil (1649-1716), cronista do período colonial, no seu “Cultura e Opulência do Brasil”, escreveu que “costumam dizer que para o escravo, no Brasil, são necessários ‘três pès’: pau, pão e pano”.

Agostinho Neto (1922-1979), líder da independência de Angola, estadista e poeta, tinha visão de futuro: “O oceano separou-me de mim/ enquanto fui me esquecendo nos séculos (…) João foi linchado/ o irmão chicoteado nas costas nuas/ a mulher amordaçada/ e o filho continuou ignorante./ Mas do drama intenso/ duma vida imensa e útil/ resultou certeza:/ as minhas mãos colocaram pedras/ nos alicerces do mundo./Mereço meu pedaço de pão”.

Tod@s @s que nos indignamos com a barbárie temos um encontro marcado, no quiosque do horror (posto 8 da Barra da Tijuca), sábado, às 10 h. Para clamar por Justiça e um novo jeito, solidário, de conviver. Para que nosso repúdio à estupidez atravesse o mar azul e chegue ao Congo, aos nossos irmãos africanos.

Em SP será no MASP, tb às 10h. Coloque aqui outros atos de que tiver ciência, p.f. #justiçapormoise

Foto O Dia, “nublada”, “embaçada” como o olhar dos parentes de Moïse. Somemo-nos a eles, em busca da luz, de algum conforto, da superação!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima