A SEXTA DE MORO E BOLSONARO: A VERDADE LIBERTARÁ?

Sérgio Moro, ex-juiz e ex-ministro de quem favoreceu como juiz, prometeu explicar hoje, afinal, quanto recebeu da Alvarez & Marsal, poderoso Escritório que fez a recuperação judicial de empresas processadas por ele.

O TCU apura conflito de interesses, o que parece evidente: um juiz condena executivos e homologa acordos de leniência das suas empresas; depois faz consultoria altamente remunerada para essas mesmas empresas… É o clássico método de “criar dificuldades para obter facilidades”.

A Alvarez e Marsal diz que recebeu, por esses serviços, nada menos que R$ 65 milhões de empresas como Odebrecht, OAS, BVA e Galvão Engenharia. Há quem afirme que foi dez vezes mais (R$ 750 milhões). Quanto de honorários o ex-juiz recebeu? Por que o “arauto da moralidade” demora tanto para explicar?

Também hoje Bolsonaro tem que depor, presencialmente, na PF, para instruir o inquérito que investiga vazamento de informações sigilosas da própia PF, que ele teima em controlar, para tê-la como “sua polícia”.

Bolsonaro está obrigado “sob vara” a comparecer às 14 h à PF, por decisão do ministro Moraes, do STF: “empurrava com a barriga”o seu depoimento há meses. A Advocacia-Geral da União, ao invés de marcá-lo, como deveria, preferiu pedir dispensa. O que Bolsonaro tanto teme?

Hoje saberemos, mais uma vez, o grau de compromisso desses dois ex-aliados (“Moro e Bolsonaro são uma coisa só”, disse a esposa do então ministro) com a “verdade” que eles tanto invocam…

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima