O QUE desMOROna?

Sérgio Moro foi “herói nacional salvador da Pátria” por muito tempo. Como se as decisões individuais de um juiz solucionassem de vez a corrupção estrutural, sistêmica que há no Brasil. (Sem absoluta transparência e controle popular na gestão pública, em todos os níveis e instâncias, esse cupim da República continuará ativo).

Depois a máscara caiu. Primeiro ao assumir o apoio a Bolsonaro e a disposição de ir para o seu governo, como de fato ocorreu. A suposta “imparcialidade” ruiu. No Ministério, blindou as falcatruas da “famiglia” até não poder mais. Tendo perdido a função de magistrado, foi para os EUA (seu modelo civilizatório). E tratou de se virar na vida privada, como sócio-diretor da Consultoria Alvarez & Marsal.

Claro conflito de interesses: o ex-juiz “ganha a vida” em empresa que faz ou fez a recuperação judicial da Odebrecht, da OAS e da Sete Brasil, para cuja insolvência ele contribuiu. Devia pedir “escusas” e não aceitar a função, por pudor ético.

Agora, pré-candidato a presidente, defende até o financiamento que o doleiro Albert Youssef fez para seu chefe político no “Podemos”, partido de direita ao qual se filiou. Mais integrado ao sistema impossível.

O TCU determinou, a pedido do Ministério Público, que os ganhos de Moro na Consultoria sejam revelados. A “sua” empresa faturou, só no caso Odebrecht, R$ 17,6 milhões. Aguarda-se essa informação com o mesmo interesse que a sociedade tem em relação aos gastos milionários do cartão corporativo de Bolsonaro.

Bolsonaro, mesmo passeando nos mares do Sul (“triste Bahia, o quão dessemelhante!”), sempre responde com xingamentos. Mas Moro, até aqui mais polido, vai ficar rouco e desafinado de tanto tentar explicar tamanhas incoerências.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima