TRÊS MENINOS BRASILEIROS

Lucas Matheus, 8 anos. Alexandre Silva, 10. Fernando Henrique Santos, 11. Iguais – na singularidade de cada um – a milhões de crianças desse Brasil: meninos pobres, negros e… traquinas, travessos, que enfrentavam com alegria própria da infância a dureza da vida em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

Não, não está certo eles terem suas vidinhas ceifadas da forma mais cruel por terem furtado dois passarinhos engaiolados! É inadmissível que eles tenham sido torturados, como “castigo”. E que, como um deles não resistiu, os outros tenham sido executados, com os três corpinhos jogados num rio – como concluiu inquérito de quase um ano da Delegacia de Homicídios da Baixada.

Toda barbárie – de traficantes, no caso, aponta a investigação – tem que ser repudiada com a maior veemência. Esse despotismo armado – de quem quer que seja – arruína o que ainda temos de civilização!

O julgamento e a justa condenação dos responsáveis pela tragédia da Boate Kiss, que matou 242 jovens em Santa Maria (RS), está nas manchetes. “Que nunca mais se repita!”, disseram, a uma só voz, os familiares enlutados, após 8 anos de espera.

A dor igualmente profunda de pais e parentes dos meninos de Belford Roxo, que não tiveram sequer o direito de sepultar suas crianças, está abafada pelo medo. E vai sumindo do noticiário. Resta a voz da tia de um deles, que desistiu de vê-los de volta para suas humildes casas neste Natal: “estamos sentindo dor, tristeza, revolta e ódio – tudo ao mesmo tempo”.

Esse é o terrível epílogo da história de três meninos pobres, nossos conterrâneos e contemporâneos. O horror! Coloquemo-nos no lugar de seus desolados parentes. Não fiquemos indiferentes! Em memória dos que não tiveram direito de crescer, não deixemos de lutar para fazer dessa vergonha uma grande e justa Nação.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima