“MONARCO, ACABOU. VAMOS SUBIR…”

Era assim que Monarco, 88 anos, nascido Hildemar Diniz, imaginava o fim de sua linda caminhada terrena. Com serenidade e bom humor (uma característica sua), mencionava o convite do “Mestre”: “sei que vou morrer, mas não vou procurar sarna pra me coçar antes da hora. Só no dia que Ele me disser…”

E o dia chegou – como chegará para todos nós. A “irmã morte corporal”, que deixa nos que ficam tristeza e saudade, encontrou em Monarco uma vida rica em arte e criação, um “passado de glória” e um coração generoso (mesmo às vezes “em desalinho”).

Ao Marcos, ao Mauro, seus filhos, e Juliana, neta, que herdaram do “patriarca” o amor à música, à D. Olinda e tod@s os demais netinhos e parentes, solidariedade e afeto.

Monarco sempre foi jovial, com seu vozeirão, que aliava à qualidade na execução do cavaco e da percussão. Jovialidade que esbanjava inclusive na sua Velha Guarda da Portela, que liderou com maestria.

Quem via Monarco no palco, na quadra, na roda de samba, sentia a verdade da sua afirmação: “cantar é a maior alegria da minha vida”.Felizes o(a)s que podem dizer isso, pois quem canta os males espanta. E, como dizia Santo Agostinho, “reza em dobro”.

Vai, Grande Monarco, pega esse último trem! Vai vadiar na Eternidade, em companhia de Nelson Sargento, dos Wilsons (das Neves e Moreira), do Ubirany, da Beth. De Elton, de Dona Ivone, de Almir, de Acyr. De Clara, Paulo, Tantinho e tantos outr@s que estão no azul e branco do céu multicor, onde não há mais dor. Monarco, baluarte da “monarquia” da alegria, você cumpriu!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima