E A BOIADA CONTINUA PASSANDO…

É Lei da História: quando não há mobilização da população organizada, com pautas claras, o sistema dominante se fortalece.

Esse ano marcou a retomada de grandes passeatas pelo #ImpeachmentBolsonaroJá, por #VacinaParaTodos e #NegacionismoNÃO. Foram movimentos lindos e crescentes, coordenados pelas Frentes Povo sem Medo e Brasil Popular, centrais sindicais e vários partidos políticos. Apesar da pandemia, ocorreram encontros democráticos de causas e sonhos de justiça, com os cuidados necessários.

A proximidade do ano eleitoral arrefeceu a mobilização e ampliou o “narcisismo das pequenas diferenças”. Uma lástima, um retrocesso. Desmobilizar é recuar, é perder.

O resultado está aí: o (des)governo Bolsonaro tem conquistado vitórias, que são derrotas para a sociedade. Na sua feição (fake) mais contida, o “mi(n)to” conseguiu aprovar a PEC dos Precatórios, que vai lhe dar R$ 106 milhões para gastos eleitoreiros em 2022. Emplacou no STF seu ministro “terrivelmente evangélico”, que será o relator de vários processos de interesse do seu ex-chefe e do ultraconservadorismo. Uma maioria no Congresso também reforçou o sistema do poder da grana e do embuste, aprovando “maquiagem” no escandaloso Orçamento Secreto (compra de votos), que dará para parlamentares, que poderão continuar ocultos, quase R$ 17 bi no ano eleitoral.

Enquanto isso, o IBGE informa que o país afunda na recessão técnica (retração de 0,1% do PIB no terceiro trimestre, com recuo de 9,8% na exportação, 8% a menos na agropecuária e estagnação na indústria!), na crise social (19 milhões na fome, 13,5 milhões no desemprego, inflação anual de no mínimo 10%!) e na devastação ambiental (desmatamento consumiu 1/3 da Amazônia e danos em todos os nossos biomas).

Paulo Guedes, o Posto Ipiranga desabastecido, diante desses dados alarmantes, debocha: “isso de que o Brasil não vai crescer nesse ano e no seguinte é conversa de maluco”. Sapateia à beira do vulcão, bate bumbo pra bolsocrente dançar!

É preciso resistir, persistir, não desistir!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima