O ASTRÔNOMO APONTA A LUA, O IMBECIL OLHA O DEDO

Bolsonaro, que não é astrônomo nem amigo da Ciência, está tentando DESVIAR O FOCO. No país das 560 mil famílias enlutadas pela pandemia, da inflação, do desemprego, do esquema de roubo na compra de vacinas (“propinavac”), da devastação ambiental, do Centrão como “alma do governo”, das rachadinhas da familícia, dos cheques do Queiroz, da asfixia da Educação, da Pesquisa e outras desgraças mais, Sua Excrescência quer fazer crer que o problema nacional é… urna eletrônica!

Com isso, além de revelar que pretende agir “fora das quatro linhas da Constituição”(!!!), como já declarou (e que teme a derrota nas eleições), busca mobilizar sua base minguante de fanáticos, de devotos (hoje sem tantos votos) do Mi(n)to.

Não caiamos nessa. A crise que fabrica, as agressões que repete, são também cortina de fumaça para as “boiadas” que estão passando no Congresso dominado pelo Centrão: privatizações, grilagem de terras, fundão bilionário, desmonte dos controles sobre gastos em eleições e manobras de cúpulas partidárias. A corrupção política deLIRA!

Menos mal que o promotor do Grande Mal vai ter que responder a nada menos que 11 acusações no inquérito do STF: calúnia; injúria; difamação; incitação ao crime; denunciação caluniosa; apologia a ato inconstitucional; associação criminosa; ataques, com grave ameaça de violência, ao Estado de Direito; propaganda ilegal; incitação à confusão social; atribuição a outrem de prática de crime ou infração que sabe ser falsa, com finalidade eleitoral.

Um “onze”, um “timaço” de crimes que nos leva ao pódio da infâmia, do desrespeito, da degradação máxima. Não permitiremos!

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima