O GRANDE FRAUDADOR

Desde que foi instituída, após a República Velha e oligárquica, nunca a Justiça Eleitoral foi tão atacada por um presidente de Poder. Desde que existe o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), jamais ele e seu presidente (hoje o Ministro Roberto Barroso) foram tão enxovalhados por um membro de outro Poder.

O TSE, ontem à noite, desmontou, uma a uma, as 18 mentiras de Bolsonaro em sua “live” agressiva, eleitoreira e fraudulenta.

Não vivem dizendo que, no Brasil, “as instituições estão funcionando”? Se estivessem mesmo, tamanha agressão, inclusive antecipando campanha eleitoral e usando a máquina pública, não ficaria impune.

Bolsonaro, desvairado e diante da possibilidade de derrota eleitoral, comete TODOS os crimes de responsabilidade previstos no art. 85 da Constituição Federal. Atenta contra a União, o livre exercício dos demais poderes, os direitos sociais e a segurança interna do País. Ofende a probidade na administração, a lei orçamentária e o cumprimento de muitas outras. A la Trump, prepara o ambiente para o golpe. Seus ministros, militares e civis, são cúmplices.

Numa República digna do nome, o caminho seria #ImpeachmentBolsonaroUrgente Lutar por isso é um dever elementar de cidadania.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima