SABER ESCOLHER E CUMPRIR(Breve reflexão para crentes ou não)

Celebra-se neste domingo, em milhares de comunidades cristãs do mundo, as vidas de Pedro e Paulo, apóstolos dos primórdios.

Assim como os nomes são comuns – como os de Maria e José – suas histórias de vida também o são. Como as de qualquer um de nós, e revestidas de grandeza, como é possível (e necessário) a todo/as. Vidas simples, mas potentes e transcendentes.

Em Pedro e Paulo tem dúvida (custaram a crer e, mesmo crendo, duvidaram), tem incompreensão, perseguição, prisão, martírio, morte e libertação (quem não vive, em alguma dimensão, essa dialética existencial?). Tem missão cumprida: “combati o bom combate, terminei minha jornada, guardei a fé!” (2 Tim 4-7). Essa afirmação terminal é sempre inaugural e comovente. Que benção poder dizer isso…

Pedro e Paulo se completam: um é o pescador rude, passional, arrebatado, operoso. Outro é o intelectual estudioso da Lei Judaica, mas atento aos sinais dos tempos, que transitou de perseguidor de cristãos a propagador qualificado dessa fé. Pedro conviveu com Jesus. Paulo não, era movido pelo Ressuscitado, pura fé. Suas cartas foram escritas antes dos evangelhos.

Ambos negaram mas, sem serem negacionistas empedernidos, aceitaram o anúncio da Esperança. Também nossas vidas são marcadas por crença e descrença, calor e frieza, “cabeça dura” e abertura, desafio permanente à mudança, à conversão.

Nossa missão, como a de Pedro, é ser pedra sobre a qual se constroem coisas boas, criativas, úteis à coletividade. Como a de Paulo, nossa jornada deve estar pontuada pelo estímulo entusiasmado à criação de núcleos de amorosos de fé, apoio mútuo e partilha.

Nenhuma sociedade se transforma de cima para baixo. Só avançamos com essa organização diversa de pequenas comunidades fraternas e solidárias, cada uma com sua identidade.

Somos todos um pouco Pedro, pescadores, fundadores. Somos todos um pouco Paulo, pregadores, organizadores. Somos seus continuadores, como PEDRO Casaldáliga (1928-2020): “ser o que se é, falar o que se crê, crer no que se prega, viver o que se proclama, até as últimas consequências”. Como PAULO Leminski (1944-1989): “isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além”.

Sigamos, “petrinos”, “paulinas”, “marianos”, imitando quem semeou valores eternos.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima