O INVERNO EM NÓS

É costume dizer que, no Brasil, as estações do ano não são muito definidas. Mas do ponto de vista social e político, estamos, faz tempo, em pleno inverno, que começa oficialmente hoje.

Sentimos frio na alma. Falta o agasalho da solidariedade. Pesquisa realizada agora pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), coordenada por Daniel Duque, coloca o Brasil em 2º lugar no “índice de mal estar” ou “taxa de desconforto”, entre 38 países (só somos superados pela Turquia).

O fundamento desse levantamento internacional é econômico. Desemprego (29,7% da nossa força de trabalho está desempregada ou subempregada) e inflação (6 a 8% nos últimos 12 meses, com alguns produtos básicos chegando a 30%!) são a razão desse pessismismo.

Ainda é inverno em nossos corações, com o mais de meio milhão de mortos da Covid, a indiferença federal frente à desgraça, a devastação ambiental recorde, a corrupção oficial (“orçamento paralelo”, contrabando de madeira, proteção à “familícia”), a ascensão a “consultores” do governo de figuras como Roberto Jefferson, Malafaia e Valdemar Costa Neto, as mentiras, os privilégios à casta militar, a preparação do golpe. Tempo ruim da autorização para matar e desmatar.

Hoje, primeiro dia do nosso inverno, buscando razões para prosseguir, acordei com a canção “Cigarra” (de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos) na cabeça: “(…) porque a formiga é a melhor amiga da cigarra/ raízes da mesma fábula/ que ela arranha, tece e espalha no ar/ Porque ainda é inverno em nosso coração/ essa canção é para cantar/ como a cigarra acende o verão/ e ilumina o ar!”

Aqueçamo-nos na consciência e na luta. A arte ajuda!

Foto: Rosas da saudade abrindo em pleno inverno, em Copa (Rio de Paz)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima