SINAL DE INCÔMODO E CONTRADIÇÃO (Breve reflexão para cristãos ou não)

Nesse domingo, a passagem evangélica lida no mundo inteiro (Marcos 3, 20-35) é reveladora do caráter revolucionário da prática de Jesus.

Ele, à medida em que ia pregando justiça e amor, reunindo gente empobrecida e ávida por vida, começa a incomodar até seus parentes: “será que ficou louco?”. A dimensão pública e profética do andarilho de Nazaré assusta também os poderosos de seu tempo, que logo o demonizam: “tem parte com Satanás!”.

Jesus não se aborrece. Explica aos seus que as calúnias que sofre são parte do processo – as trevas sempre resistem à luz. Didático, indaga como ser possível quem aposta na unidade ser acusado de promover a divisão, quem semeia o bem ser considerado agente do mal? E, ousado, radical (no sentido de ir à raiz), afirma a primazia do amor ao próximo, da solidariedade: “minha mãe e meu irmão, irmã, é quem faz a vontade de Deus”. Sua família é a grande e diversa e sofrida família humana.

Ontem como hoje, quem é movido pela fraternidade rompe com as convenções da sociedade estabelecida, com a hipocrisia reinante, com a acomodação individualista. Provoca reações, gera a instalação de “gabinetes do ódio”, é alvo de mentiras, sofre difamação e injúria. Há até mesmo “igrejas” especializadas em capturar “almas”, dinheiro e poder, negando esse Jesus rebelde.

Em 1605, quinze séculos depois da passagem de Cristo, Miguel de Cervantes escreveu o livro mais lido do mundo depois da Bíblia: “Dom Quixote de La Mancha”. Em um trecho, ele sintetiza a reação contra quem quer revolucionar o mundo: “Os cães ladram, Sancho. É sinal de que estamos avançando!”.

Avancemos, sempre. À nossa frente estão o Jesus histórico e outros seres humanos sensíveis, dignos e luminosos. Anônimos ou conhecidos, eles sabem que “ser é ser-com-os-outros”. Sabem e fazem, rompendo com as estruturas da indiferença, da vaidade personalista, do descarte, do egoísmo industrializado.

Foto: Mural dos Mártires – Diocese de São Félix do Araguaia (criação de Cerezo e Pedro Casaldáliga)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima