O CORPO DE CRISTO E OS DOS NOSSOS IRMÃOS, MACHUCADOS (Ruas coloridas da festa, rua com escombros no bairro pobre do Rio)

Hoje é o Dia de Corpus Christi. Relembra a instituição da eucaristia por Jesus Cristo, na ceia com seus amigo/as. Ele, naquele encontro, abençoou e repartiu o pão. Eukharistía vem do grego e quer dizer gratidão, ação de graças. Louvor à fraternidade, à sororidade, às razões de viver.

Para o cristianismo, o sagrado está no coração da matéria, das dádivas da natureza e de tudo que o trabalho humano produz. Do trigo fazer o pão e cuidar de repartí-lo. Deus é comunhão, comum-união. Por isso, na tradição popular, as ruas são enfeitadas com cores e desenhos da hóstia consagrada.

O cristianismo é uma religião “materialista”. Seus símbolos estão no nosso dia a dia e nos sustentam: o peixe, o pão e o vinho. Distribuídos com justiça, sempre. A eternidade penetra as artérias do tempo.

Cristo anuncia seu corpo como expressão da vida humana: nascimento, sofrimento, dor, ressurreição. E se diz presente, como sacramento, no pão compartilhado e no vinho da taça comum. Pão e vinho da vida em abundância, para todos.

Todo corpo é templo do espírito. Nessa festa de Corpus Christi é preciso lembrar dos corpos dos nossos irmãos e irmãs profanados. São as crianças palestinas e refugiadas chorando contra a violência cruel de que são vítimas. São o/as quase 470 mil brasileiro/as mortos pela Covid, que poderia ser menos devastadora, se a Ciência fosse ouvida e as vacinas tivessem chegado mais cedo.

São, nesse dia 3 de junho, os feridos e talvez mortos do desabamento de mais um prédio na comunidade de Rio das Pedras (Zona Oeste do Rio), controlada pelas milícias. Esses grupos mafiosos se arvoram, com a conivência do Poder Público, até em empreendedores imobiliários! As ruas ali estão descoloridas pelos escombros. O povo pobre ou não tem moradia digna ou a tem insegura, mal construída, no risco. Corpos sofridos, machucados e desabrigados.

Que o pão da vida – sagrado quando compartilhado – nos anime a lutar por uma sociedade justa, fraterna, irmanada. Erguida sobre as sólidas estruturas do respeito, da solidariedade e da dignidade.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima