O QUE O PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB) INDICA?(para um bom papo – mesmo virtual – em sala de aula, no escritório, no café…)

Dizem que economia é “a ciência triste”: só trata de números, estatísticas e medições impessoais, quase sempre complicadas.

Não é isso: economia é o modo e o meio das pessoas, vivendo em sociedade, conseguirem sua sobrevivência. Avaliar a economia de um país nunca é aferir apenas um dado.

O noticiário estampa que o PIB do Brasil cresceu 1,2% no primeiro trimestre desse ano, em comparação com o trimestre anterior. O “mercado” ficou surpreso e aplaudiu (“mercado” é um ente a quem dão características humanas, mas é frio e calculista: é o tal “ambiente de negócios” dominado pelo capital financeiro).

Curiosamente, os mesmos jornais que destacam o crescimento do PIB dizem que ele foi desigual e não chegou aos mais pobres. O setor de serviços, o que mais emprega no país (1 em cada 3 postos de trabalho vem daí), só avançou 0,4%. Está 9,5% abaixo do nível pré-Covid.

O desemprego também cresceu, beirando agora os 15%. E o desinvestimento público, com o corte de recursos para áreas estratégicas, como educação, ciência e tecnologia, é imenso. O Brasil voltou a figurar no mapa da fome, e os programas sociais minguam.

O PIB revela, sobretudo, o potencial de uma economia. Independe, em certos aspectos, até dos governos. O Brasil tem enorme riqueza natural (uma das maiores biodiversidades do planeta), grande malha consumidora (mercado interno, mas nesse caso falo de… gente!) e expressivas commodities, isto é, produtos de exportação – como soja, petróleo, minério de ferro, ativos pecuários e avícolas etc.

Essa é a grande força da nossa economia. Produzida por quem trabalha, pelas mãos operárias, camponesas, servidoras de todo tipo. O trabalho – muito mal remunerado entre nós – é o verdadeiro criador de toda riqueza!

General Médici, o mais sanguinário presidente da ditadura, diante de um PIB que crescia em níveis “chineses” (no chamado “milagre brasileiro”) cunhou uma frase histórica: “a economia vai bem, mas o povo vai mal”.

PIB e Renda Per Capita, por si mesmos, não trazem o retrato mais nítido e completo da nossa economia. É preciso juntar a eles distribuição de renda, emprego, índices de pobreza, qualidade de vida (moradia, saneamento, alimentação), escolaridade, eficiência e amplitude dos serviços públicos, cuidado ambiental. Economia é vida digna para todas as pessoas.

Aqui sempre estivemos livres de grandes desastres climáticos. Com o aquecimento global, até isso anda se alterando. Passamos a sofrer com enchentes e desertificação frequentes. Mas ainda temos toda possibilidade de fazer dessa vergonha uma Nação.

Foto: O Beijo, de Klimt (1862-1918) – a ONU criou a FIB, Felicidade Interna Bruta; Café – Cândido Portinari (1903-1962)

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima