A PM MILICIANA DE PERNAMBUCO TOCA O TERROR!

A violência criminosa de um pelotão da Polícia Militar de Pernambuco, que atacou com bombas, balas de borracha e spray de pimenta a manifestação pacífica – e das mais distanciadas e cuidadosas – de sábado, no #29MRecife, traz um alerta: setores bolsonaristas neofascistas estão infiltrados nas corporações policiais e agem à vontade.

Esses truculentos, que têm o monopólio legal do uso de armas letais, são estimulados por Bolsonaro. O “chefe”, aliás, tenta passar, através de seus asseclas no Congresso, um projeto que tiraria dos governos estaduais o comando sobre as PMs. É a ânsia de um necrogoverno centralizador e autoritário.

Como se viu, mesmo um governador do PSB, como Paulo Câmara, não tem controle total sobre a tropa. Ele afastou um oficial e 4 soldados e anuncia investigação para apurar os fatos delituosos. Também garante indenização às vítimas. É pouco, frente à gravidade do ocorrido.

O terrível e imediato são as duas pessoas que, fortemente atingidas, provavelmente perderão uma vista: Daniel Campelo, 51 anos, e Jonas Correa de França, 29. A vereadora Liane Cirne (PT) tentou dialogar com uma patrulha e levou um jato de spray de pimenta no rosto, tendo que ser medicada numa UPA.

É o crime fardado, abominável! Se não for contido, vai agir de forma crescentemente violenta contra todos os que se insurgirem contra a política genocida do Planalto. Diante da possibilidade da derrota de seu “Duce”, desrespeitarão todos os limites. É preciso denunciar, agora, já.

Aliás, Bolsonaro já declarou, quando da invasão do Capitólio após a derrota do seu ídolo Trump, que “no Brasil será pior”. É preciso pará-lo também!

#nãoàviolênciapolicial

#NÃOàREPRESSÃO

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima