UM HABEAS INCAPAZ DE TRAZER PAZ A PAZUELLO

O ex-ministro da Saúde Pazuello, general fujão, conseguiu um Habeas Corpus no STF para ficar calado na CPI, 4a que vem, certo?

Não! Esse HC não foi um trava-línguas. Pazuello só foi autorizado por Lewandowski a silenciar sobre perguntas que se referirem à sua pessoa: “permanece sua OBRIGAÇÃO de revelar tudo o que souber sobre fatos e condutas relativos a terceiros”, diz a decisão.

Ou seja, o desertor da trincheira pública, além de fazer uma autoconfissão de culpa com esse pedido de “proteção”, terá que dizer a verdade sobre Bolsonaro (o capitão que mandava e ele obedecia), sobre os governadores, sobre o prefeito de Manaus, sobre as “doutoras cloroquinas” que o assessoravam, sobre os “políticos” que teriam pedido mil “pixulés” no Ministério, sobre a Pfizer… O oficial militar deu um tiro que saiu pela culatra.

Muit@s aqui sabem que fui candidato ao Senado pelo RJ em 2018 (recebendo 1.281.373 honrosos votos, insuficientes para derrotar Flávio Bolsonaro – o das “rachadinhas”, parentes de milicianos no gabinete, mansão – e o falecido Arolde Oliveira, na onda bolsonarista). Gostaria de estar nessa CPI: 432.628 mortes representam a maior tragédia sanitária da nossa História, em parte evitável! Nada mais importante no país do que apurar as responsabilidades por esse genocídio, até em respeito à dor de tantas famílias.

Mas sinto-me muito bem representado pelo querido amigo senador Randolfe Rodrigues (AP). Já sugeri a ele que relembre o dito popular “quem cala consente” toda vez que inquirir o ex-ministro.

E faça afirmações do que supomos em relação à gestão de Pazuello quanto ao atraso das vacinas, do oxigênio, da compreensão de que só a ciência e não a tal “imunização de rebanho” nos salvará. Coragem, honradez e franqueza não fizeram parte da formação militar dele?

Aroeira, com seu dom do traço, antevê.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima