“DR. JAIRINHO” E FLORDELIS – a desconexão Rio-Brasília

A Câmara do Rio está cumprindo seu dever no caso do antidoutor e contravereador Jairo Souza Jr. Ontem a Justiça transformou sua prisão provisória em preventiva, além de torná-lo réu por tortura e homicídio triplamente qualificado, no caso do menino Henry.

Como prevê o Regimento Interno do Legislativo Municipal, ele está, afinal, com seu mandato suspenso e gabinete fechado. Não tem mais assessoria e todas as suas prerrogativas de parlamentar estão revogadas.

O relator do processo de cassação, vereador Luiz Ramos Filho, já o notificou, através da Secretaria de Administração Peninteciária. Ele terá 10 dias para apresentar defesa, se quiser. Depois disso, o Conselho de Ética (do qual sou membro) fará as oitivas necessárias e em até 45 dias entregará suas conclusões, para o plenário decidir.

Tudo indica que esse acusado perderá seu mandato e será banido da vida pública. Não se pode naturalizar a “gangsterização” da representação, por mais que estejamos em tempos absurdos da “República das Milícias”…

Já em Brasília, a pastora (?) e deputada federal Flordelis, também acusada de homicídio (contra o próprio marido e “sócio”), com indícios e provas robustas, segue exercendo plenamente seu mandato. Ainda que com tornozeleira eletrônica, continua debatendo, votando (entusiasmou-se com a eleição de Artur Lira, do Centrão, para a presidência da Câmara dos Deputados) e até planejando candidatura para o ano que vem…

Essa situação só degenera a credibilidade da política, já tão rebaixada.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima