EXTERMÍNIO NA FAVELA DO JACAREZINHO!

A morte foi institucionalizada como política de estado no Rio de Janeiro. É o oposto de Segurança Pública. Muito antes da pandemia ceifar 412 mil vidas, tendo o presidente da República como principal aliado na propagação do coronavírus, as populações das favelas já vinham sendo abandonadas. Marginalização histórica. A situação está se agravando.

Hoje, o Jacarezinho amanheceu sob rajadas de tiros disparados de helicópteros, granadas e bombas de pimenta. Todos os moradores acuados pelo horror. O saldo da operação da Polícia Civil foi, até aqui, de 23 mortos. Entre eles, um policial civil. E passageiros do metrô baleados (sim, do metrõ!). Vale ressaltar que os agentes de segurança, instrumentalizados pelo Estado para executar essa guerra macabra e inócua, também são vítimas desse morticínio.

Witzel saiu do cargo de governador, mas a necropolítica do “tiro na cabecinha” continua na gestão de Cláudio Castro (água baça da mesma pipa). A ação de hoje, em especial, foi autorizada pela Justiça. Mas existe decisão do STF que proíbe operações policiais em favelas enquanto durar a pandemia.

A indagação de sempre: fosse contra chefões do tráfico ou de milícias e suas escoltas em condomínio de luxo (ou bairros de classe rica ou média) a operação teria essa brutalidade?

Que política de “segurança” é essa que só sabe matar e que, a longo prazo, não tem nenhuma eficácia? Lembremos da ação “espetacular” na Vila Cruzeiro… Quanto mais se mata mais a criminalidade cresce, pois em áreas pobres não chegam políticas públicas continuadas de educação, saneamento, cultura. Só polícia, eventual e letal.

Tem algo muito errado nessa “estratégia”. Cadê os recursos de inteligência, tecnologia, investigação? Solidariedade e força à população do Jacarezinho e a tantos que ficam expostos a essa guerra insana, sem vencedores.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima