SAUDADES…

Saudades do tempo em que uma pacata cidade do interior do Brasil, onde todos os moradores se conhecem – como milhares – , jamais seria palco de uma atrocidade como essa de SAUDADES, em Santa Catarina.

Que sociedade envenenada estamos construindo? Que relações interpessoais são essas que levam uma pessoa de 18 anos a ter tamanho surto de ódio e assassinar bebês e jovens educadoras, tingindo de barbárie doentia uma “aquarela” de ternura e alegria?

Saudades de quem, como Paulo Gustavo, nos “obrigava” a rir, fazendo da graça sua profissão, e clamando para que tomemos uma vacina já existente desde que o ser humano surgiu na face da Terra, antídoto contra todo preconceito, contra a inevitável dor: o afeto, o amor.

Que mundo do poder é esse onde prevalece o egoísmo, o mau humor, a ânsia de dominação, a frieza diante do sofrimento do outro, o “e daí” frente a 412 mil mortos, a eliminação de quem não é nosso igual, a banalidade do mal?

Aprendi com Riobaldo, o jagunço filósofo do Grande Sertão de Guimarães Rosa, que “toda saudade é uma espécie de velhice”. Mas é também renovação, mesmo doída, do sentido das nossas existências. O mesmo Rosa ensinou que “o que é da gente, vale a semente”.

Persistamos, apesar dos desencantos.

“Sorri, vai mentindo a tua dor, e ao notar que tu sorris todo mundo irá supor que és feliz” (Charles Chaplin, versão de João de Barro, 1955)

Banksy, seu adeus, nossas perdas

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima