LOUVOR AO TRABALHO, VIVA O/A TRABALHADOR/A!

Sem ele, não nos alimentaríamos.

Sem ela, não nos vestiríamos.

Sem ele, não teríamos um teto para nos abrigar.

Sem ela, não teríamos como nos locomover por grandes distâncias.

Sem eles e elas, não existiriam ruas e cidades.

Sem elas e eles, não saberíamos ler e escrever.

Sem eles e elas, não teríamos as curas para doenças.

Sem elas e eles, nos sufocaríamos em lixo.

Sem ele, sequer daríamos um destino digno aos nossos mortos.

Sem ela, não teríamos as artes, que iluminam o cinzento da vida.

Sem eles e elas não estaria aqui, nesse amanhecer, escrevendo e podendo enviar essa mensagem. Para vivermos, dependemos do TRABALHO de muitos, de milhões.

TRABALHO É DIREITO, devia ter para tod@s (no Brasil, há 14,4% de desempregados, 6% de desalentados, que já nem procuram, e 1/3 de precarizados!). Trabalho vem de “tripallium”, instrumento de tortura do Império Romano, mas devia ser prazer criativo.

O 1º de maio, Dia Internacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras, relembra que o que cria bens e riquezas, materiais e imateriais, é o TRABALHO, não o Capital.

É inaceitável que os produtores de objetos, ideias e serviços – que servem para melhorar a existência humana – sejam deles privados. Como o “pedreiro Valdemar, que construiu tantas casas e não tem uma pra morar”.

O 1º de Maio remonta a 1886, quando os trabalhadore/as de Chicago (EUA) iniciaram uma grande greve contra as jornadas de trabalho de 14 horas e contra os salários aviltantes. Foram duramente reprimidos, com dezenas de operários mortos. Hoje esse dia é relembrado em muitos países do mundo. Exceto nos EUA…

Prossegue a luta por uma sociedade onde os valores do trabalho sejam os mais marcantes, e não os do lucro, da acumulação, do egoísmo industrializado.

Seguiremos no sonho de ver “o virador desse mundo, astuto, mau e ladrão, ser virado pelo mundo, que virou com certidão: ainda viro esse mundo em festa, trabalho e pão!” (Gil)

Charles Auston, pintor afroamericano contemporâneo

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima