A ORDEM DO DIA, ops, DA VÉSPERA (O “31 de março” caiu mesmo em 1º de abril)

O general Braga Netto, recém empossado no Ministério da Defesa, exonerou os comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica. Foi a mando do ex-capitão Bolsonaro, mas não explicou as razões. Elas já estão vindo, por mais que se queira ocultar.

A Ordem do Dia sobre o que Braga Netto chama de “movimento de 31 de março 64” – o golpe empresarial-militar de 1º de abril, há 57 anos – ajuda a entender. Deve ter frustrado o presidente autocrata, incompetente e golpista. Mas não exime, claro, a alta oficialidade, bolsonarista raiz e enfiada até o talo no governo, das responsabilidades pelo abismo em que o país foi jogado.

Em 10 parágrafos, o ministro situa o golpe no contexto histórico da época (Guerra Fria), diz que havia base social pedindo a intervenção (“marchas” de rua, imprensa, igrejas, empresários, lideranças políticas e das Forças Armadas).

Omitindo trabalhadores rurais, urbanos e amplos setores populares que cobravam as Reformas de Base, Braga Netto diz que foi “interrompida a escalada conflitiva” e “assumida a responsabilidade de pacificar o país”. Não sem “desgastes”, destaca (muitos oficiais sabem dos de agora, com 6 mil fardados no desgoverno Bolsonaro, mas não largam o osso…).

Ele não diz, mas o “movimento”, apoiado pelo imperialismo dos EUA, foi para garantir o Brasil no mundo ocidental, capitalista, evitando qualquer mudança estrutural. E instaurou um longo período de truculência, censura, tortura e morte de adversários políticos.

Braga Netto destaca a Lei da Anistia, de 1979: “amplo pacto de pacificação, de convergência”, para uma “transição sólida, enriquecida com a maturidade do aprendizado coletivo”.

Óbvio que se trata de uma visão parcial, interessada. Mas suspeito que bem aquém do que Bolsonaro desejava. Os “novos desafios” que o ministro da Defesa reconhece “no novo cenário geopolítico” são as “questões ambientais, ameaças cibernéticas, segurança alimentar e pandemias”.

E concluiu destacando a “missão constitucional das Forças Armadas, (…) seguras de que a harmonia e o equilíbrio entre os Poderes preservarão a paz e a estabilidade em nosso país”.

Trocando em miúdos: a cúpula militar não desembarca do desgoverno mas não quer embarcar nos delírios golpistas de Bolsonaro. Não ficará “opinando” e ameaçando, como o antipresidente da marcha a ré pública queria, sobre a cena política, decisões do STF, do Congresso e de governadores e prefeitos. Não dará mais aval ao negacionismo no combate à terrível pandemia, como seu “camarada de armas” Pazuello, ordenança de Jair, fez.

É o que se deduz. A qualquer arroubo autoritário de setores da cúpula militar haverá forte reação. Os neofascistas estão mais isolados.

Bolsonaro adora armas e tem prazer em dar tiros. Mas tudo indica que o que armou, buscando sustentação para um autogolpe futuro, foi mais um tiro que saiu pela culatra.

Nani e o traço que revela bastidores

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima