EXPULSAR OS VENDILHÕES!(breve reflexão para cristãos e não crentes)

Hoje, mais de um bilhão e trezentos milhões de cristãos do mundo inteiro estão ouvindo a passagem do Novo Testamento bíblico em que Jesus expulsa os vendilhões do templo (Jo 2, 13-15). Não deveria ser difícil entender.

Ação direta, contundente, radical: “no Templo, Jesus encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas, e os cambistas sentados. Então fez um chicote de cordas e expulsou todos, junto com os animais; esparramou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas”.

O ato falava por si: o Templo não era lugar de comércio, de negócio, de ganhos. Nem de ofertas que os chefes religiosos de então entesouravam (foram esses que, articulados com os representantes do Império, prenderam, torturaram e mataram Jesus).

É uma traição à essência do cristianismo as igrejas se constituírem, ontem e hoje, como “meios de vida”, mercado da fé, aparatos “piedosos” de conformismo, exploração torpe da religiosidade simples das gentes. É abominável predicar e praticar que “templo é dinheiro”, ou um cínico “Jesus é o caminho, mas eu sou o pedágio”. Chicote nesses manipuladores hipócritas!

Jesus foi além. Ao ser interpelado pelos dirigentes do Templo, que não admitiram tamanha “violência” com seu “costume” de roubo, afirmou que o maior templo de Deus é o ser humano. O seu e os nossos corpos que, ainda que maltratados (e como o são, desde então!), têm a possibilidade de reconstrução, de ressurreição. Só o Espírito vivifica a matéria.

Deus não habita em prédios, mas em cada um de nós. O mundo, o planeta, é nossa casa de oração. Ninguém pode mercantilizá-lo e deteriorá-lo pela ganância acumuladora. Expulsemos, unidos e com a chama da fé, os que insistem em transformá-lo num covil de ladrões!

Quenti MATSYS (1466-1530), Antuérpia

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima