A ARROGÂNCIA ULTRAPASSADA DE ALGUNS GENERAIS BRASILEIROS

Militar é servidor público. Numa República, tem o monopólio do uso das armas de guerra, sob controle da vontade popular. Não pode, como acontece historicamente no Brasil (essa contínua marcha a ré pública), arvorar-se em ser o tutor da Nação. Não pode estar a soldo de interesses dominantes.As Forças Armadas foram recolocadas nas suas funções de não interferência na vida política do país pela luta democrática que culminou na Constituição de 1988. A alta cúpula militar mandou e desmandou durante o regime de arbítrio implantado pelo golpe empresarial-militar de 64, apoiado pelos EUA. Basta!Se um militar quiser ocupar função de mando, tire a farda, guarde a arma e venha para a disputa eleitoral, em condições de igualdade.O general Villas Bôas, depois do lançamento recente da sua biografia, em que revela interferência política sobre o Supremo para tirar Lula da disputa de 2018 (na qual também critica todos os movimentos sociais), ironizu a nota em que ministro Fachin condenou suas revelações e a prepotência militar. “Três anos depois…”, twittou o oficial reformado.Então tá, general. A cada manifestação golpista sua ou de seus pares, reagiremos de pronto – como vários de nós sempre fizemos: “Ditadura, tortura e censura nunca mais!”.

Compartilhe:

Facebook
WhatsApp
Twitter
Telegram
Email

Leia também:

Casa de madeira quase inteiramente submersa com as enchentes. Para fora da água apenas o telhado.

Sinais dos tempos

A Comissão para Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em nota, solidariza-se com as pessoas e comunidades do Estado do Rio Grande do Sul.

CARTA ABERTA AO COMANDANTE DA MARINHA SOBRE A REVOLTA DA CHIBATA

A inscrição do nome de João Cândido Felisberto, líder da Revolta contra a Chibata, em 1910, no Livro de Heróis da Pátria, já aprovada no Senado (PL 340/2018), está em análise na Câmara dos Deputados, onde tramita (PL 4046/21).

V. Exa. entrou no debate, enviando uma carta ao presidente da Comissão de Cultura, deputado Aliel Machado (PSB/PR). É legítimo, a Casa do Povo tem que ser sempre democrática.

Rolar para cima