EM DEFESA DA REPRESENTAÇÃO POPULAR

11214299_713241855444735_9077390031346665388_n

21 ago EM DEFESA DA REPRESENTAÇÃO POPULAR

A denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, por corrupção e lavagem de dinheiro, apresentada pela Procuradoria Geral da República, é gravíssima. Com robusto conjunto probatório, ela não apenas reforça as informações sobre o envolvimento de Cunha no esquema criminoso investigado pela Operação Lava Jato, como expõe o Parlamento brasileiro e torna insustentável a sua permanência na Presidência da Casa.

O Ministério Público acusa Eduardo Cunha de corrupção e lavagem de dinheiro – referente ao recebimento de US$ 5 milhões de um lobista e outras milionárias transações. Apurou-se também que Cunha se utilizou de requerimentos de informação para chantagear empresários que estariam com parcelas de propina em atraso – requerimentos esses originados em seu gabinete e assinados pela então deputada Solange Almeida.

A diferença da condição de um investigado em inquérito para a de um denunciado é notória. Neste caso, Cunha é formalmente acusado de ter praticado crimes. Com a denúncia do Ministério Público, a situação torna-se insustentável para o deputado, que já demonstrou utilizar o poder derivado do cargo em sua própria defesa.

Exercer a Presidência da Câmara dos Deputados exige equilíbrio, postura ética e credibilidade. A responsabilidade de dirigente maior de uma das casas do Poder Legislativo é incompatível com a condição de denunciado. Em defesa do Parlamento, clamamos pelo afastamento imediato de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara dos Deputados.

Parlamentares do PSOL, PSB, PT, PPS, PDT, PMDB, PR, PSC, PROS, PTB.

Brasília, 20 de agosto de 2015.

7 Comentários
  • Paulo Robeson Freitas de Lemos
    Postado em 13:19h, 21 agosto Responder

    Parabéns pela iniciativa. Sinto-me representado.

  • Lenira Rodrigues Zacarias
    Postado em 16:10h, 21 agosto Responder

    Os processos policiais e os judiciais devem ser levados a cabo e com a maior celeridade possível. No entanto, o caso em foco insere-se num contexto muito maior. Trata-se de processo investigatório e judicial envolvendo a maior empresa pública do País, cifras astronômicas, corrupção comprovada, políticos no exercício do mandato e empresários de envergadura. À toda evidência a acusação de participação de senadores, deputados federais e demais membros do Poder Legislativo no investigado e provado esquema de corrupção causa, no cenário político, repercussão direta e contundente na vida política brasileira. Não por coincidência os brasileiros vêm pedindo, nas manifestações recentes, mudanças que incluem uma reforma política verdadeira, profunda, que legitime a propalada “representação do povo”, a ser exercida pelo Poder Legislativo. Denunciar ou dois parlamentares parece uma forma de “dividir para conquistar”. Os parlamentares dignos não deveriam aceitar esse jogo. Se é para limpar, vamos fazê-lo corretamente, vamos denunciar TODOS os envolvidos de uma única vez, não é concebível que políticos experientes permitam e compactuem com a reiterada prática de “tirar o pó por cima” para dar uma satisfação à sociedade, enquanto a sujeira grossa permanece e se perpetua por debaixo do tapete. Dividir para dominar é tática por demais conhecida para que experientes políticos caíam nela.

  • Aldo Moreira
    Postado em 16:43h, 21 agosto Responder

    Parabéns!

  • Evandro dos Santos
    Postado em 20:49h, 21 agosto Responder

    PELO AFASTAMENTO IMEDIATO DE EDUARDO CUNHA DA PRESIDÊNCIA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS!

    • Aril
      Postado em 09:48h, 22 novembro Responder

      A valorizae7e3o do esfore7o de quem se demertina a vencer na vida, de forma simples e humilde, surge com o reconhecimento de todos que, direto ou indiretamente acompanharam a sua luta.Vocea e9 prova concreta de que sonhos existem, desde que haja demertinae7e3o.Hoje um verdadeiro VENCEDOR, vencedor este, que com muita garra e dedicae7e3o conseguiu o seu espae7o e a admirae7e3o de todos.PARABc9NS por essa evolue7e3o te3o precoce.Vocea e9 um exemplo de vida!

  • Eunice de Souza Batista
    Postado em 02:40h, 23 agosto Responder

    Concordo plenamente. Cunha deve afastar-se imediatamente. E só voltar ao cargo se conseguir provar a sua inocência. O parlamento já deveria tê-lo afastado..

  • Jose Cassio Ignarra
    Postado em 16:03h, 29 agosto Responder

    O manifesto é de 20 de agosto, escrevo em 29 de agosto e não vi nada na imprensa nesta semana que chamasse atenção para tão grave situação. Faço exceção para o Observatório da Imprensa nesta quinta 27/8 com a fala inspirada de Bernardo Kucinski e para Carta Maior. Nos demais meios o assunto ocupa pé de paginas. Parece que os jornalistas tem medo do deputado Eduardo Cunha. O medo é justificado, o nobre parlamentar parece que é chegado a uma ação contra jornalistas e ser ameaçado por um personagem rico, ruim e poderoso é certamente motivo de medo para qualquer um. Mas o medo não justifica a covardia e é isso tambem que tem que ser denunciado. Para alem das atuais denuncias, o nobre parlamentar tem uma biografia repleta de acusações e denuncias legais de corrupção e malversação de recursos públicos.
    O histórico de um homem público como um deputado tem que ser público. Cabe principalmente a imprensa esse papel, seja o homem publico de oposição ou de situação, seja ele manso ou ameaçador,

Poste um comentário